sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Bastam três socos

Quando ele anunciou o assalto, eu bati.
Dei um murro no meio da cara, sei que a dor do nariz quebrado e a surpresa da reação invadiram seu cérebro. Enquanto cambaleava, tentando sair da confusão mental, o segundo deslocou o maxilar, mesmo estalo de uma noz sendo quebrada. Caiu inconsciente. O terceiro fez a nuca quicar na calçada, e a poça de sangue lentamente se formou. Rosto destruído.
Como eu sempre digo, bastam três socos pro meu inimigo encontrar a morte.