quinta-feira, 5 de março de 2015

Um minuto

Ele roubou um beijo meu e se foi.
Love, love, love, aqueles caras cantarolam no rádio.
Fico pensando o que fazer depois da cerveja.
Alguém passa correndo na calçada.
Uma garota aparece na janela do prédio em frente, se ao menos estivesse nua.
Voltar ao trabalho nunca é fácil, a vontade de fugir no horário de almoço é sempre presente.
Chinaski passou por piores.
O almoço fermenta no estômago, o calor derrete os miolos.
Outra cerveja, ninguém vai notar nada no escritório.
Ninguém nota nada, nunca.
Uma mensagem no celular: love, love, love.

Nenhum comentário: