Hoje eu tenho trinta anos


Muitas pessoas dariam tudo para ter a minha idade, outras tantas dariam muito para não chegar tão cedo nela. Eu aceito, aceito cada ano vivido como quem aceita um copo d’água, necessário para continuar caminhando.


Aceito tudo que tenho e o que não tenho. Com certeza poderia mais, com certeza poderia menos, tenho dúvidas se conseguiria o mesmo, novamente.


Aos trinta ainda há juventude, aos trinta também já aparecem os primeiros sinais de maturidade, que pode nunca chegar. Aos vinte, eu era outra pessoa, pior do que sou hoje. Aos quarenta espero ter a mesma certeza com relação ao que sou agora.


A estrada? Não faço ideia onde vai dar. Não quero saber. Estar verdadeiramente perdido nesse mundo de falsas certezas é sinal de sanidade. Algo estou fazendo certo. O que me importa é estar na estrada, vivo, por muitos anos.

Parabéns para mim.

Comentários

Danifonseca disse…
Adorei o áudiobook!
Leonardo Diniz disse…
Esse texto me levou a uma bela reflexão. Não estou nos trinta, mas a pouco fiz 20, mas precisamente no dia 12 de maio. E não sei explicar, mas tive problemas em comemorar, pois me sentia triste desde os 19 anos, pois os meus 20 anos, VINTE ANOS, estavam as portas. Mas esse post nos leva a uma reflexão sobre o verdadeiro sentido de viver, o que será da vida se não for aproveitada? Porque estacionar numa idade quando podemos curtir cada momento e cada ano intensamente?
Ótima postagem!
Uma boa leitura Leonardo. Aceitar o momento em que se está e tirar o melhor dele, acredito que é um bom caminho. Obrigado pelas palavras.